DESTINO: LINHA 308 / DESTINATION: LINE 308


O COLETIVO 308 tem como objetivo estimular distintas formas de pensar a Arte, através da produção coletiva e a intervenção nos espaços.

The collective group COLETIVO 308 has like objective to stimulate distinct forms to think about Art, through the
collective production and the intervention in the spaces.


sábado, 28 de janeiro de 2012

WOMEN'S RIGHTS




WOMEN'S RIGHTS is our 4th Exhibition, thats Artists to Women Rights in Women in Art 4th

Artists lists to 1st, 2nd, and 3rd exhibitions was more than 100 artists from more than 20 countries !

PLEASE SUPPORT THIS EVENT!! take part as an artist or as a mail-artist, or so simple share this event to your friends and contacts !

DEAD LINE IS 02/ 2012

ask for info to Noemi Silvera response to this mail : info.smallart@gmail.com

Thank you and bests regards in advance

Read the rules for artists, or mail art or to help us in the BLOG

http://womeninartshow.blogspot.com

DERECHOS DE LAS MUJERES is nuestra 4ta Exposicion, esto es Artistas por los Derechos de las Mujeres en el Women in Art 4to.

La lista de artistas del 1°,2° y 3° ascendio a mas de 100 artistas de mas de 20 paises !

POR FAVOR DA TU APOYO A ESTE EVENTO !! puedes tomar parte como artista o como mail-artista o simplemente envia este evento a tus amigos y contactos !

FECHA FINAL 02 /2012

pide info a Noemi Silvera a traves de este mail : info.smallart@gmail.com

Gracias y cordiales saludos en anticipo

Lee el reglamento de obras, mail art y ayudas participativas en el BLOG

http://womeninartshow.blogspot.com

--
Planet Book Exhibition




Laboratorio de Arte Postmoderno
Blanes m126 s1
Montevideo

Costa urbana
MVD metropolitana, Uruguay

LITERATURA RUSSA - NELSON ASCHER

Para a divulgação:

EXPOSIÇÃO DE ARTE POSTAL - CLUBE FILATÉLICO E NUMISMÁTICO DE POÇOS DE CALDAS - MG

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

MEU CACHORRO NÃO FAZ NADA! - César Riello Santos



Meu cachorro não faz nada! (Cesar Riello Santos)

Meu cachorro não late,
Não come,
Nem quando me vê corre ao meu encontro
Não morde brancos, nem pretos, nem carteiros, nem ladrões

Meu cachorro é do tempo da lingüiça “com trema”.
Não abana o rabo nem corre atrás de gatos
É mau visto, pelos outros caninos
Mas faz sucesso os vizinhos!
Senhoras, mocinhas, mulheres e toda molecada da vila.

Meu cachorro não defeca na via!
Nem usa guia
Não uiva para lua
Não foge, quando pra rua, avista a porta aberta!

Nem persegue roda da bicicleta!
Meu cachorro não rodopia atrás do rabo
Nem tem carrapato!
Nem roe chinelo
Nem cava osso

Nem tem nome de cantor famoso, nem revolucionário.
Meu cachorro não é pop
Não é pit
Nem é top, nem é hit!

Meu cachorro não faz nada!
Meu cachorro nem é meu, pois divido-o com uma amigo!
Meu cachorro é uma inspiração para esta prosa
Meu cachorro papel e cola de trigo e colagem sobre posta!

LIBERDADE PARA ANGYE GAONA! CAMPAÑA INTERNACIONAL POR LA LIBERACIÓN DE LA POETA ANGYE GAONA - Campanha Internacional pela libertação da poeta Angye Gaona

Trabalhos em arte postal que estão a caminho, em apoio a campanha de libertação para Angye Gaona.

Angye corre o risco de ser sentenciada a 20 anos de prisão, julgada por um tribunal de marionetes e acusada unicamente por sua postura crítica e seu ativismo. Angye é uma respeitadíssima poeta colombiana. Responsável pela organização de inúmeros eventos relacionados a poesia e literatura Latino Americana. Seguem aqui mais informações sobre Angye, que nos chegam através de Rodrigo Verdugo:

Estimado Alexandre: Estamos junto al poeta Jose Maria Memet y  la poeta y periodista Cristina Castello trabajando en la campaña por la liberacion de la poeta colombiana Angye Gaona, por favor difunde esta informacion

Saludos Cordiales
Rodrigo Verdugo
---------------------
Necessitamos que esta informação circule. A todas as escritoras e escritores, intelectuais, leitores, gente de bem. Rogamos o apoio nesta campanha em favor da poeta e jornalista Angye Gaona, colombiana. Ela foi presa, encarcerada na cidade de Cúcuta. Está claro que tal situação busca amedrontá-la e aniquilá-la, separando-a inclusive de sua pequena filha.  E se não tivermos uma atitude solidária pode mesmo ser condenada a muitos anos de prisão sem haver cometido delito algum. A idéia é que endossem a carta e seus dados ao correio do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, cujo endereço segue abaixo:
http://syscopre.presidencia.gov.co/publico/frmCiudadano.aspx. 


Somente a carta e seus dados devem ser endossados, por favor, sem insultos ou comentários soezes ou descomedidos. A idéia é que libertem a poeta. Agradecido. Necesitamos o apoio de todos.
Tambien As assinaturas devem ser enviadas a Josè María Memet ao email: prensa@chile-poesia.cl

o a castello.cristina@gmail.com

Jose Maria Memet
Diretor Geral – ChilePoesía
:

E aqui, palavras de Angye, em uma bela carta aberta:

Carta a los poetas en el día de la poesía

Cárcel de mediana seguridad, Cúcuta, Colombia, 21 de Marzo de 2011

Poetas, compañeros mios:
Estoy del otro lado y desde aquí me es posible decirles algunas palabras.
Pasé un umbral, en efecto. Sucedió un hundimiento. Es una transmutación fuerte. Estoy viva y no lo creo, sin embargo. Todo cambió tan drásticamente, tanto... Lo que esto trae no me es exclusivo, pues ahora mismo soy miles; a miles nos urden un crimen a capricho (hay variedad y dedicación en esto) para lavar algunas otras manos, se sabe. Ensartada en esta galería, pero aún no extinta, lo garantizo, quizá a mi pesar. Porque el símbolo agoniza, se resquebraja como las tablillas de Bagdad y con la impotencia del pobre gime la muerte en los rincones.

Es 21 de marzo de 2011, después de Gregorio XIII, antes de lo temido por venir; si hubo un antes, si hubo un después, si acaso un adentro, un afuera.

"Compañeros" es más que un decir... ¿qué nos une? Corre por nuestro canal la misma agua, pero, ¿qué nos trae a este encuentro donde pacientes esperamos algo en común? Nos hace cercanos cierto empeño nuestro, aquello que juramos, que juró no abandonarnos: esa mirada paralizante de la poesía que nos dotó de armas varias. Y hoy, cuando cada uno de sus rostros sagrados está siendo destrozado frente a nosotros, también nos juntan las críticas visiones de la devastación.

¿Dónde nuestra alzada?, pregunto. ¿Cuándo intentamos una acción fiel en protección de la Poesía o de alguna de sus fases (Madre Naturaleza, Belleza, Creación, Memoria), cuándo?
¿Cómo hacerlo sin mezclarnos con el horrendo barro que hunde al guerrero y lo sublima? Escasos, pero presentes los ejemplos que el escrúpulo dominante permitió, mientras cosiamos la trama del fatuo nombre propio o vagábamos de veneno en veneno y de credo en credo, hundiéndonos hasta hacernos más ciegos al amanecer.

Hemos de dar un último paso en defensa de la Poesía, eso es evidente. Tal vez, también un penúltimo. No basta crear públicos atentos. Es preciso suscitar en las multitudes la necesidad de trascender el deleite estético para generar, más que una catarsis, un compromiso de vida o muerte, una iniciación. No basta con avanzar hacia la manifestación esporádica en las calles de las ciudades; es necesario trascender la queja y la petición hasta hacer comprender la necesidad del impulso creador como hábito en las masas que, al ser usuarias del lenguaje, conocen el camino de la creación y merecen una oportunidad de aprender a seguirlo, que seguro no desaprovecharán, frente a la inminencia de la extinción (hacia la creación, sí, un giro masivo hacia la creación, como magno ejercicio de libertad. Poetas todos los seres humanos libres y combativos). Y no basta la acción revolucionaria sin una invocación de las fuerzas espirituales, porque sabemos cuan más vasto es lo desconocido y en su gran poder confiamos.

Porque la Poesía no va a exigirnos su defensa; antes bien, se replegará en la amargura abandonada de los pueblos camuflados de odio, revestidos uniformemente de la infamia y la farsa de la globalización. Los rostros de la Diosa Poesía, los inalcanzables, los subterráneos, los espaciales, "en venta", como dijo Rimbaud, a precio de paquete turístico. Las virtudes de los elementos hechas mercancía, a lo largo de los siglos retardatarios, cuando el uso sedimentario del dinero y la usura. Una capa de la corteza es ya la industria y su chatarra, una "maquinosfera", producto absurdo de frágiles cuerpos, de mentes perversas y potentes. Trocado "lo amargo por dulce y lo dulce por amargo", en toda latitud y desde antiguo (la cita es de Isaías el Profeta), no queda sino prever el hedor universal mientras algo no se rompa en este acontecer vicioso. Y esa ruptura quizá venga por mano natural y quizá no.

Y nosotros, ¿hemos obedecido a la dinámica viciosa del Capital? A ejércitos de hombres controlados científicamente, entrenados para controlar además, los condecoran, vivos o muertos, cinco estultos que ostentan el mando del mundo. ¿El mérito? Obedecer. ¡Oh premio que merecimos por generaciones! Obedecer de forma regular, pero, ¿a quién? Obedecer en cada instante. Ha sido una orden ser y estar. Hemos obedecido nosotros también, es de cuestionarse. Y, ¿hasta cuándo se obedecerá una ley que no es la del Amor y el Movimiento, la íntima y audaz que espera paciente entre el tumulto de groseras leyes del Sistema dominante?

Y entonces, ¿qué de esta lucidez que osa romper las redes del canon y la costumbre? Porque sabemos, compañeros, que de la cepa del antiguo dolor venimos; que guardamos la reserva callada y condenada del subsuelo; que somos la estirpe de Aquella que adoramos (unos más concientemente) mientras se le desprecia minuciosamente en el mundo del Capital: la Poesía y sus mil intocados y aterradores rostros que se dan, gratuitamente, a pesar del mercado y sus usanzas; el perfume de las sombras eternas escapado de los escaparates; la materia oscura que pierde el genio a los doctores; la secreta sustancia del movimiento, bajo cuya única ley indecible surge y sucumbe la realidad y lo inaudito.

Hoy, desde cierto inframundo, quiero llamar a la esperanza que es actitud de madurez. A la certeza inagotable en la acción liberadora de la Poesía sobre el Ser humano. Y a la generosidad que es un castillo que espera por la especie toda para recibirla en un tiempo nuevo. Vale la Vida, la poesía que es la más refinada política. Esta vida y, si otra tuviera, también.

Reciban mi cariño comprometido.

Felices días de Poesía...

                                   Angye Gaona


Segue aqui o texto original e o link para o abaixo-assinado de protesto e pedido de liberação imediata desta ativista e poeta.

E aqui, uma entrevista com Angye Gaona:



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

AFFICHES - POSTERS - MAIL ART CALL - DE FRAENZ, LUXEMBOURG

Convocatória de Fraenz, de Luxembourg:

AFFICHES-POSTERS-PLAKATE

Project with digital photographs from posters (advertisement, election, etc...).Projet avec des photographies digitales d'affiches (publicitaires, électorales,etc...).Projekt mit digitalen Fotografien von (Werbe-,Wahl-,u.s.w. ...-) Plakaten .IMPORTANT !The rules: NO fee, NO return !Les règles: PAS d'honoraires, PAS de retour !Die Regeln: KEIN Honorar, KEINE Rückerstattung !

Para saber mais acesse: Affiches- Posters
Greetings and thanks from Brazil, Fraenz!

LA VILLE - APPEL D'ART POSTAL

Para divulgação:

domingo, 22 de janeiro de 2012

MUSEU DO CHOCOLATE EM GUARULHOS! É MOLE??


Com tantas coisas mais importantes e viáveis para a Cultura de Guarulhos, tivemos a notícia da implantação do "Museu do Chocolate"....  Dá prá aguentar?? Aqui, segue um excelente texto/reflexão de Maria do Rosário, arte educadora e artista da cidade...  ...vejam, opinem:

A quem interessa um Museu do Chocolate?
Quanto vai custar para a cidade?
Quem lucra com isto?
Por que?

O jornalismo investigativo, inexistente por estas bandas, teria nesse assunto matéria prima para boas descobertas. Acho até que faz tempo que o CQC não aparece por aqui..

Não é preciso ser jornalista, nem investigador, para ficar estarrecido e indignado com o que acontece na cidade, a céu aberto e em reuniões de gabinete.

Situando... os dois museus já existentes na cidade, o Museu de História Natural e o Museu Histórico Municipal estão abandonados pelo poder público. O primeiro, por ser situado no Zoológico Municipal é privilegiado em termos de visitação de pessoas interessadas e sem pressa: as crianças.  As visitas nem sequer são registradas, dado que demonstraria estatisticamente sua importância para a cidade. Poderia entrar para o século XXI facilmente e com pouco investimento, fosse séria a administração.
Há equipamento, espaço, funcionários e verba para isso. Mas, para que? A população que frequenta o Zoológico nem sabe que ali existe um Museu, ou que o que está visitando é um Museu. No próprio Zoológico roubaram-se araras (!!!!!) sem ninguém notar...

Sofre-se aqui o que parece ser uma praga... excesso de funcionários e inexistência de monitores, guias, intermediários entre os bens culturais e a população. Ninguém quer fazer este papel ‘menor’. Nem mesmo os Agentes Culturais, que, ‘concursados’ como gostam de alardear, para a função de ‘faz-tudo’, pleiteiam escolher o querem fazer ao invés de lutarem por uma formação específica para aprender a fazer o que tem que ser feito. Deslumbrados, alguns consideram-se mais artistas que os artistas que deveriam atender. Cabe aos funcionários de menor peso na ‘cadeia alimentar’, exercerem este papel. Então, se vê de tudo: embriagados, dorminhocos, ’viajandões’ de toda qualidade em contato com a população e o que é pior, deixando esta péssima impressão sobre a cidade. Prova disso são os recentes furtos em exposições de arte.

Para o Museu Histórico Municipal, são designados os funcionários públicos em vias de se aposentar ou aqueles que ‘causam problemas’ por seu comportamento ‘inadequado’. Explica-se o Museu equivale a uma Sibéria... onde seus superiores não precisam vê-los e não há rigorosamente nada para fazer (com a diferença de que na Sibéria não há centro comercial nos arredores).

Haveria, se houvesse a compreensão do que é cultura. Se houvessem políticas públicas claras para a cultura. Se houvesse uma plenária pública séria sobre o que a população deseja como equipamento cultural na cidade. Especificamente sobre Cultura. Não lazer. Não reuniões de Orçamento Participativo nas quais vão sempre as mesmas pessoas, em todas as reuniões, seja qual for a região da cidade. Os P do OP estão mais interessados no O.

A pessoa entra no museu e vê um tijolo. Você saberia dizer por que? Como poderíamos dinamizar o conhecimento do fato que a história de nossa cidade passa pelas olarias, tijolos e chaminés? Nem vou comentar sobre o fato de pintarem os tijolos da base da chaminé do Adamastor, que qual dama de batom, exibe agora a placa reluzente. História é bobagem... luxo é essencial. De qualquer forma, a nova Sibéria são os CEUs... mas isto já é outra conversa.

Digressões a parte, seria cômico, se não fosse... etc. Esta semana, um funcionário da prefeitura, varrendo a rua, pediu uma contribuição pelo seu trabalho. _ O senhor está com sede, quer um lanche? _ Não, não, contribuição financeira mesmo...

A corrupção precisa ser chamada pelo nome: CORRUPÇÃO. Na cidade onde vivemos, na cidade onde nasci, a CORRUPÇÃO é pública e notória. O Museu do Chocolate, com o perdão do trocadilho, é a cobertura do bolo.

Os bastidores do poder já prometeram inúmeras utilizações para o antigo prédio da Câmara dos Vereadores. Pinacoteca, Restaurante Escola, Pontão de Cultura... o que demonstra claramente que eles não tem idéia do que fazer com o prédio, de má fama, por tantos desmandos ali ocorridos. Minha sugestão é que fizessem ali como no  Carandiru: implosão e flores. Sem esquecer o mais novo patuá do poder para realizar ali uma defumação. Melhor do que ilustrar a história do chocolate, como se vivêssemos na província de Yucatan ou na distante Ilhéus.

Eureka! Começo a entender... assisti Roque Santeiro essa semana e a semelhança de Asa Branca com Guarulhos, ‘a maior cidade nordestina fora do Nordeste’, é impressionante. Não falta nenhum personagem. É para isso que a arte existe... para expor a nudez do rei.
Guarulhense, educadora, artista plástica, funcionária pública envergonhada.
--

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

POEMAS VISUAIS DE CONSTANÇA LUCAS NO METRÔ DE SÃO PAULO

     A artista, ilustradora e poeta, Constança Lucas, nos presenteia com o seu belíssimo e delicado trabalho de poesia visual no metrô de São Paulo (Estação Sé). Constança é uma artista multifacetada,sua obra possui uma poética poderosa, demolidora e ao mesmo tempo, sutil, delicada... ...porém, falar de poesia, ainda mais de um trabalho tão forte como o dela, é correr o risco de estragar o encantamento que é o " (re)descobrir através do olhar".
     Confiram com seus próprios olhos, será bem mais prazeroso do  que ler este interlocutor...Boa visita!

Para saber mais: POEMAS VISUAIS DE CONSTANÇA LUCAS NO METRÔ DE SÃO PAULO

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

PARA COMEÇAR 2012:... 308 NA CASA DA XICLET!!

 Estamos lá, e em grande estilo, confiram:





CASA DA XICLET GALERIA

PLAYGROUND 2012- quem não sabe brincar não desce pro play...
(de 06 /01, a partir das 20hs, a 20/01/12)

PLAYGROUND 2012- quem não sabe brincar não desce pro play, reúne obras de Alexandre Gomes Vilas Boas, Coletivo 308, Dayson  Jardim, Jeesse Ferreira Farias Junior, Jorge Medeiros, Juliana Aloia “Dama”, Luciano Rocha, Maíra Ortins, Mila, Priscila Buschinelli, Pedro Leão, Piercarlo, Rogério Camargo, RoXXane Chonchol, Serjão Augusto e Valmir Knop Junior (de 06 /01, a partir das 20hs, a 20/01/12).


CASA DA XICLET GALERIA
R. Fradique Coutinho, 1855,
Qua. a sex., 14h/20h; sáb. e dom., 14h/18h.
ENTRADA: free
SAÍDA: R$ 2,00